Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Meus Irmãos

Assine o nosso...

sexta-feira, 25 de março de 2011

A Criação de Deus numa Visão Física e Química.



         "No princípio, Deus criou o céu e a terra" (Gênesis 1,1). Assim começa a Bíblia, e o primeiro capítulo do Gênesis relata de maneira gráfica como Deus criou o mundo. Sem utilizar nenhum material pré-existente, sem nenhum instrumento, Deus foi criando todas as coisas: o céu e a terra, os animais e as plantas...
E por último o homem. Deus criou o mundo do nada. Na verdade Deus seguiu o primeiro princípio da termodinâmica: na natureza nada se cria e nada se destrói tudo se transforma. Deus transformou o mundo e não o criou. Deus é energia, e energia não se cria nem se destrói. Deus obedece ao ciclo de Carnot; quando se diz que ele é o princípio e o fim, o alfa e o Omega, o ciclo de Carnot é uma máquina térmica que se inicia num ponto e depois de um ciclo completo retorna ao ponto de origem. Nesse ciclo, em cada estágio há uma absorção ou liberação de energia, por isso o ciclo de Carnot não tem um rendimento de 100%. Assim Deus em sua plenitude também não tem os cem por cento de energias transformadas para seu favor. Podemos perceber isso nos próprios movimentos da Terra quando leva 365 dias para completar seu ciclo em sua órbita; ou seja, parte de um ponto se movimentando até retornar ao mesmo.
Em Deus, não existe passado nem futuro, mas uma eterna transformação. Todos os conhecimentos passados são transformados, aprimorados, para um futuro.
Houve um momento no qual só Deus (uma única energia) existia, mas Ele, talvez com as perdas de sua transformação, acabou num processo de fragmentação, por criar o homem, talvez por isso à frase "o criou a sua imagem e semelhança". Podemos ser fragmentos de Deus.
"O homem necessita tempo e esforço para construir um edifício ou fabricar um objeto, além, é lógico, de um material pré existente. Deus, porém, fez todas as coisas com um só instante de Seu querer e tudo criou do nada. Antes que Deus tudo criasse, não existia nada."
Analisando o trecho acima não encontramos lógicas. Como poderia Deus criar do nada algo, se no nada não há nada? Como pode Deus em um instante criar algo se até na natureza dele uma chuva para se formar leva algum tempo. Teria Deus uma varinha mágica? E esperou, sabe-se lá, quanto tempo para por em prática seus conhecimentos de magia! Acredito que não. Porque não encontramos lógicas e fundamento em, um ser ter tanta capacidade de transformação e deixar num vazio esperando ao acaso que um dia desperte neste um desejo de aplicá-lo.
Faz mais sentido uma energia pré-existente em eterna transformação ir se evoluindo a cada ciclo que passa. Ou poderíamos pensar em Deus como um ser tão inteligente e supremo vindo de outra dimensão (será que não existem outros deuses tão talentosos ou mais que o nosso?) e, que escolheu o planeta Terra para povoá-lo, criar seu próprio mundo.
Deus podia ter criado todas as coisas tal e como existem; por exemplo, as mesas e as cadeiras, as centrais elétricas... Mas quis que o homem dominasse a criação trabalhando e tirando proveito das mesmas. Quando o homem trabalha, colabora com Deus para dominar a criação, já que Deus assim o desejou. E como na criação Deus fez tudo muito bem, porque é Deus e porque Lhe move o amor que tem aos homens, assim o homem precisa fazer bem as coisas, por amor a Deus, para que quando Deus veja esse trabalho, possa dizer: "O que faz o homem está bem feito". É necessário fazer tudo com dedicação e esforço, oferecendo-o a Deus.
O trecho acima merece uma análise meticulosa. Se Deus é energia, ora ele não tem pés e mãos, não podendo assim fazer nada e nem tão pouco criar e fazer nenhuma cadeira se quisesse. Precisaria de uma mão de obra: o homem, que foi feito à sua imagem, ou seja, com sabedoria, porque se ignorante e burro o fosse como poderia construir uma casa?
Ele fez o homem a partir de uma matéria prima que suportasse as condições climáticas e matérias da terra – o fez do "barro", ou melhor, dizendo, das substancias existentes aqui neste planeta. Se fizesse o homem com o "barro da Lua" será que teria sobrevivido e evoluído até os dias de hoje?
Deus fez o homem, segundo alguns estudados religiosos, para dominar a criação. Teria sido ele tão inteligente a ponto de criar um homem para dominar outro homem? Seria isso um jogo de vídeo game que ele criara porque no céu não tem o que fazer? Quanta lógica nisso tudo!
Então me dou ao trabalho de casar assumo dívida em um casamento, gero filhos que são além de dor de cabeça despesas incomensuráveis, para servirem de meus empregados? Economicamente falando não seria mais barato contratar um alguém para cuidar dos meus bens? Até porque ninguém garante que meus herdeiros cuidarão dos meus tesouros como eu gostaria que o fizessem.
Não existe lógica em Deus criar o homem para ficar o admirando sem um objetivo maior. Ora, como todo ser que "cria" e tem seus "bens", necessita de alguém para cuidar e servir a seus propósitos. Para tal, criou o homem.
Acredito que seremos mais felizes se pensarmos em Deus não como um ditador como algumas das igrejas o põe, mas sim como um ser extraterrestre superior em inteligência e energia que escolheu "nosso" (ou seria dele?) planeta para dar vida como hoje a temos; com plantas, animais, água, minerais e tudo mais para nossa sobrevivência e, o homem para aprender, cuidar e transformar toda essa energia cedida até nós em alta energia para que talvez num futuro formos também tão inteligentes e dotados de tanta energia a ponto de habitar outros planetas.
Deus fez ainda energias semelhantes a ele, os espíritos, do qual deu a cada talento; ou seja, um dom, de trabalhar os metais, arte das essências, arte das construções, arte com números, e foi gerando assim seu exército. Algumas dessas energias ou espíritos se subjugaram tão poderosos e essenciais que resolveram, podemos assim dizer, também gerar suas criações e subornando o homem criação de Deus que nada conhecia e começou a influenciá-lo. Teríamos como um exemplo disso em Êxodo quando a serpente maliciosamente tenta à Eva. Provamos aí que até então o homem era totalmente ignorante, foi através do mundo espiritual que começou a ganhar sabedoria. A sabedoria nunca foi do homem e sim dos espíritos criados por Deus. Eles nos passam de acordo com nossas buscas e merecimentos. Além do que Deus fora traído por sua própria criação, mas não o homem, mas seu exercito de espíritos. Vemos isso em êxodo quando cria o primeiro casal para depois surgir o homem para servi-lo e arar a terra; ou seja, cuidar de seus bens.
Falar que Deus é a eterna bondade eu acho um tanto utópico. Se fizermos coisas boas Deus nos abençoa e mau Deus nos chicoteia. Em minha opinião Deus deixou toda a sabedoria da qual precisávamos e quem sabe não foi para outro planeta habita-lo. O bem e o mau se relacionam com a terceira lei de Newton, onde o universo devolve a nós o que damos a ele. Sendo assim não há necessidade de Deus castigar ou tão pouco abençoar a alguém aqui em baixo. O bem e mal reflete sobre nós mesmos.
Quando criou o mundo Deus o fez com todas as suas normas, leis e regras universais até hoje desconhecidas pelo homem. O grande mistério de Deus é a chamada lei da gravidade que não conseguimos ainda entendê-la a ponto de dominarmos esse conhecimento. Nem tão pouco pode o homem criar um planeta, estrela, lua e colocá-los no universo em suas distâncias favoráveis e perfeitas. O homem não tem a capacidade de criar um universo como esse que Deus fez para nós. Assim Deus se fez e faz presente em nós, não da maneira como certos católicos, protestantes e até umbandistas o vêem.
Não é tão absurda essa idéia se partirmos como referencia o próprio ser humano. A criança enquanto não tem idade para se alimentar é a mãe que o faz, enquanto não sabe andar, os pais a carregam no colo, mas quando ganham auto suficiência os pais já não podem mais conduzir e alimentar seus filhos. Os pais passam a sabedoria aos filhos através da educação familiar e didática para que se tornem livres e independentes. Os ensinamentos são passados como bastões para filhos e gerações, os quais tomam e vivem suas vidas às suas escolhas. Não punimos filhos por não terem aprendido as lições, eles simplesmente sofrem as conseqüências de suas ignorâncias. Assim acredito ser o comportamento de Deus em relação ao Homem. Deixou toda a sabedoria através dos livros escritos por homens que ele mesmo escolheu e capacitou. Homens que morreram a matéria e o espírito (energia) ficaram vivo ainda no grande ciclo de Carnot para liberar conhecimento para os que ainda não atingiram esse nível. Daí a necessidade de oração e invocação, não de mortos, porque na verdade não existem, espíritos são energias e energias não se acabam; mas de "gerentes do conhecimento" que atuam em nosso benefício ou não sempre que clamamos.
Digo em beneficio ou não porque depende de quem pede a ajuda e para qual finalidade. Vamos lembrar que existem bons espíritos que nos orientam a fazer o bem e a coisa certa (ou seja aquilo que não fere ao próximo) e há também aqueles onde muitos pedem por profanação e perdas, mortes para o seu semelhante. Em ambos os casos eles detém o conhecimento apenas direcionam e canalizam para quem os pedem. A esse grupo de "gerentes espirituais" podemos chamar de Santos, Anjos, Mentores caídos ou não.
Outra observação bastante implicante é relatada abaixo:
Para que as coisas durem, procuramos conservá-las: reparam-se os defeitos, engraxam-se as máquinas, protegem-se do frio ou do calor...; se não cuidamos das coisas, elas se estragam e não servem mais para nada. Podemos imaginar assim a conservação do mundo, com a diferença de que, se Deus não o conservasse, desapareceria, voltaria ao nada. Além disso, Deus governa o mundo, de maneira especial aos homens, com umas leis que estão impressas em sua natureza, respeitando sempre a liberdade que lhes deu, como um dos grandes presentes.
Dizer que temos que conservar o mundo como coisas de Deus para que elas não desapareçam e voltem ao nada é bastante complicado. Pois jamais voltaríamos ao nada do inicio do mundo uma vez que Deus deu ao homem condições de procriar e gerar. Temos sim que manter vivas essas maravilhas que ele nos deu porque sem elas não sobrevivermos, ficaremos doentes, ficaremos escassos de recursos e consequentemente sofremos na carne o peso desse descaso. O homem é um ser em evolução jamais retomará a forma primitiva. Disso não podemos duvidar, pois a ciência nos prova através de vários achados arqueológicos. O pior que pode acontecer é que o homem foi "gerado" por Deus nas condições da Terra, ou seja, não nas condições dos laboratórios atuais (como remédios, drogas e alimento industrializados que causam danos à saúde, porque natural é natural bastante diferente do artificial e tem suas conseqüências no organismo humano). Como conseqüência o homem não chega hoje a viver cem anos, a vida útil de sua matéria começa a decair.
O presente maior que Deus nos deu foi a sabedoria de usar bem todos esses tesouros deixados para nos beneficiarmos em função de nós mesmo. Deixou as leis de todos os ciclos da natureza do nosso "habitat" impressas e gravadas para nos servir de guia e base para condicionarmos as melhorias e elevação tal ao ponto de chegarmos bem próximo Dele.
Só poderemos ter um mundo melhor quando conseguirmos fazer a verdadeira caridade. A caridade espiritual. Precisamos não manipular essas energias para fins destrutivos e enriquecimento material, mas precisamos conduzi-los para luz e essa refletirá sobre nós nos tornando seres humanos toleráveis, sábios, conformados e inteligentes a ponto de termos um planeta seguro para nossa sobrevivência.
Isso não é absurdo pois está no apocalipse e só depende de nós entendermos e praticarmos essa caridade que ainda está muito mal divulgada entre os homens. Dizer que dou comida, vestes, dinheiro, emprego a um próximo não significa caridade, pois os espíritos não malignos mas ignorados, mal educados continuam soltos desorientados interferindo na vida humana. Precisamos acabar com essa interferência maléfica doutrinando e educando esses seres criados também por Deus e que não são os diabos das igrejas. Diga-se de passagem que essas criaturas diabólicas foram uma criação da igreja católica para dominar e escravizar o homem e os próprios espíritos a seus favores.
Lembremo-nos da lei do ciclo de Carnot e da terceira lei de Newton que tudo vai e volta; dessa forma se nos prendermos somente ao material quando voltarmos em outra matéria estará colhendo esses frutos, e é por isso que muita das vezes não entendeu nossos carmas e nos achamos vítimas de muitas injustiças. Devemos nos perguntar como nos portamos numa vida passada e o que dela tiramos de proveito e no que a ferimos ou até o nosso próximo.
Tenho uma confissão a fazer: sei o que estou dizendo por ter passado por muitas situações nessa vida da qual as pessoas nem podem imaginar, e o quanto me custou e ainda me custa a busca pela elevação espiritual.
Esbarro sempre com a ignorância humana da qual eu estava mergulhada e que por quase um milagre me desprendi dela, mas ainda estou na luta por tentar ajudar no que posso à compreensão desse maravilhoso Universo que Deus nos deu.

Por: Ana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário

“Aquilo que é impenetrável para nós existe de fato. Por trás dos segredos da natureza há algo sutil, intangível e inexplicável. A veneração a essa força que está além de tudo o que podemos compreender é a minha religião.”

Albert Einstein.

Obras Básicas - Pentateuco do Espiritismo

O Livro dos Espíritos - Contendo os princípios da Doutrina Espírita sobre a imortalidade da alma, a natureza dos Espíritos e suas relações com os homens, as leis morais, a vida presente, a vida futura e o porvir da humanidade – segundo o ensinamento dos Espíritos superiores, através de diversos médiuns, recebidos e ordenados por Allan Kardec. O Livro dos Médiuns - Contendo os ensinamentos dos Espíritos sobre a teoria de todos os gêneros de manifestações, os meios de comunicação com o Mundo Invisível, o desenvolvimento da mediunidade, as dificuldades e os escolhos que se podem encontrar na prática do Espiritismo. Em continuação de "O Livro dos Espíritos" por Allan Kardec. O Evangelho segundo o Espiritismo - Com a explicação das máximas morais do Cristo em concordância com o Espiritismo e suas aplicações às diversas circunstâncias da vida por Allan Kardec. Fé inabalável só é a que pode encarar a razão, em todas as épocas da Humanidade. Fé raciocinada é o caminho para se entender e vivenciar o Cristo. O Céu e o Inferno - Exame comparado das doutrinas sobre a passagem da vida corporal à vida espiritual, sobre as penalidades e recompensas futuras, sobre os anjos e demônios, sobre as penas, etc., seguido de numerosos exemplos acerca da situação real da alma durante e depois da morte por Allan Kardec. "Por mim mesmo juro - disse o Senhor Deus - que não quero a morte do ímpio, senão que ele se converta, que deixe o mau caminho e que viva". (EZEQUIEL, 33:11). A Gênese - Os milagres e a predições segundo o Espiritismo por Allan Kardec. Na Doutrina Espírita há resultado do ensino coletivo e concordante dos Espíritos. A Ciência é chamada a constituir a Gênese de acordo com as leis da Natureza. Deus prova a sua grandeza e seu poder pela imutabilidade das suas leis e não pela ab-rogação delas. Para Deus, o passado e o futuro são o presente.
Clique na Imagem e Leia o Livro.

A Umbanda não é responsável pelos absurdos praticados em seu nome, assim como Jesus Cristo não é responsável pelos absurdos que foram e que são praticados em Seu nome e em nome de seu Evangelho. Caboclo Índio Tupinambá.

Pense Nisso...

Ouça os Pontos da Linha de Esquerda da Umbanda